"Que minha vida e minha glória sejam jogadas ao chão e do pó possa brotar um perfeito adorador" Filhos do Homem

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Uma pequena análise da enchente em Itajaí - 2011


*Em primeiro lugar a antecedência em que toda a população foi avisada.
A primeira diferença evidente da enchente de 2008 para essa foi o tempo que a cidade teve para se preparar. Embora na quinta-feira (08/09) não era dada a certeza de que viriam as cheias na cidade o povo que já está como gato escaldado (que tem medo de água fria) começou a se preparar para o pior. Eu mesmo já estava com minha casa toda preparada para caso de enchente até maior do que a de 2008, por conta da informação divulgada pelo meteorologista da RBS TV, Leandro Puchalski no facebook.

                *A deficiência do serviço público no aviso.
Tenho a consciência de que o serviço público, seja municipal, estadual ou federal, nunca estará pronto para atender esse tipo de situação, mas na minha opinião houve uma demora muito grande para se confirmar a situação na cidade, o que fez muitos ‘teimosos’ deixarem suas casas nos últimos instantes e sofrerem mais por conta disso.
Ainda no dia 08/09 a defesa civil já tinha todas as informações do que estava acontecendo em Brusque, Blumenau, Rio do Sul. A barragem de Ituporanga já estava em situação crítica, vertendo água e com 04 comportas abertas e em Itajaí dizia-se que a cidade seria atingida apenas nas populações ribeirinhas.

                *A cobertura da TVBE
Parabéns a TVBE que fez a cobertura do “evento” com muita garra, deu pra sentir nos ancoras do plantão o sentimento de que estavam ali cumprindo uma missão, que era informar a população de tudo que acontecia na cidade em tempo real.
Pela tentativa de informar em tempo real, muitas informações erradas vieram. Não por culpa da TV, mas culpa de pessoas que ligavam passando essas informações, culpa também dos responsáveis pelos órgãos públicos que diversas vezes passavam informações contraditórias, como se não houvesse uma harmonia de comunicação entre eles.

                *Igrejas e ONGs
Nas minhas andanças pela cidade vi o pessoal de proteção aos animais recolhendo bichinhos que estavam “a deriva” e parabenizo pelo trabalho, embora eu pense que nesse momento as pessoas sejam mais importantes.
Parabéns a algumas igrejas que abriram suas portas acolhendo desabrigados, distribuindo mantimento e água potável, e prestando todo atendimento necessário ao povo que mais uma vez sofre com os intempéries.
No contraponto, outras igrejas que não tiveram a sensibilidade de abrigar nem mesmo seus membros, fiéis, dizimistas. Fecharam suas portas para quem lhe dá o sustento.
Órgãos filantrópicos que recebem mensalmente sua ajuda da filantropia, nem se lembraram que nesse momento deveriam ser os primeiros a abrir suas portas.
EXEMPLO: O Salão paroquial da igreja do bairro São Judas ficou com suas portas fechadas todo o tempo, sendo que ali poderiam ser abrigadas mais de 100 pessoas.

*Resultado positivo
É até chato falar em resultado positivo em uma situação calamitosa dessas, mas comparado ao ocorrido de 2008 dessa vez nosso povo perdeu muito menos e conseqüentemente a cidade também, o que é bom, pois a grana que chegar poderá ser investida muito mais na melhoria dos rios e em ações preventivas do que em donativos e ajuda humanitária.
O que me deixa muito chateado é ver tantos aproveitadores querendo agora que o governo lhes dê tudo (sem ter perdido nada). É impressionante como pode no primeiro dia de enchente as pessoas não ter mais mantimento e já estavam pedindo ajuda. Outros já rodeavam os supermercados esperando o primeiro entrar para então fazer a festa.
Parabéns a PM que reforçou a segurança nesses pontos onde havia a possibilidade de arrombamentos e saques evitando o caos que se instalou na última enchente e mantendo a tranqüilidade num momento tenso como o que se vivia.

Enfim, ao povo sofrido muita força e aos nossos políticos competência e honestidade, eles são a esperança de dias melhores à nossa sociedade.

Ruan Ladwig

Um comentário:

Aline cristine disse...

Graças a Deus, apesar de tudo passamos dos males o menor. Minhas considerações a todos que se empenharam para que esta tragédia não fosse maior.